Câmara realiza grande sessão ordinária onde a pauta em destaque foi a 2° votação da emenda impositiva

Câmara recebe paroquianos de São José de Ribamar em audiêncIa pública
13 de setembro de 2019
Com assuntos relevantes, vereadores discutem e aprovam solicitações visando o melhor para a população
1 de outubro de 2019
Show all

Na tarde desta quinta-feira(19), houve sessão ordinária no plenário Aldenor Pereira Nojosa, onde vereadores de São José de Ribamar deram suas justificativas contra e a favor do Projeto de lei da emenda impositiva.

Acompanhe as justificativas dos parlamentares:

O Vereador Nonato Lima, relator da Comissão de Constituição, Justiça e Redação Final, usou a tribuna e relatou sua justificativa:

“Acompanhei nas redes sociais se a Câmara realmente iria aprovar esse projeto de lei de nossa iniciativa, dos vereadores desta casa, e não do Executivo Municipal. Além de ser relator do projeto de lei, faço esse pronunciamento por entender a importância dele para nós vereadores e para a população de São José de Ribamar, para que o povo veja a seriedade e o respeito no cumprimento com o nosso dever de legislar a favor dos ribamarenses”, disse Nonato Lima.

Beto das Vilas, presidente da casa do povo, ressalvou seu posicionamento em sua fala:

“Eu voto a favor do projeto, com 11 vereadores a favor e 06 contra, o que é uma vergonha para esta casa um projeto dessa importância não ser aprovado pelo bem da população de Ribamar. Quando o vereador se elege, é para trabalhar pelo povo. Não ia falar isso agora, mas a partir de hoje também me declaro pré-candidato a prefeito. Não é porque o vereador Nonato Lima (PDT), Edson Jr (MDB) e Jota Pinto (Patriota) são pré-candidatos a prefeito que seremos inimigos, pelo contrário, somaremos esforços para uma São José de Ribamar melhor. Porque quando o povo quer mudança, ah, meu amigo! Não adianta brincar com a decisão do povo”, declarou o vereador Beto das Vilas.

Na oportunidade de sua fala, J. Lindoso justificou porque foi contra o projeto de lei:

“Em primeiro lugar, quero dizer àqueles que estão me julgando porque votei no primeiro turno e não votei agora no segundo que não me vendo para prefeito e nem para ninguém. O que querem para ser aprovado é R$ 218.000 ao invés de R$ 413.000 reais como aqui estão dizendo, o que vai dar para fazer com esse valor? Nada! Portanto, não votei a favor”, comunicou J. Lindoso.

Vereador Osvaldo Brandão também deu declarações a respeito de seu voto:

“Eu votei a favor porque pessoas lá fora queriam essa resposta positiva daqui da Câmara. Agora, nós perdemos uma grande oportunidade de fazer algo pela população, porque vereador aqui não tem nada, não tem uma indicação aprovada, uma resposta. Nós precisamos dar isso ao povo, precisamos resgatar nossa dignidade”, desabafou Brandão.

Já o vereador Jô Viana do (PSL), reafirmou seu voto a favor do projeto:

“Na verdade, eu não poderia deixar de manifestar e declarar meu voto a favor da emenda impositiva. Assinei novamente e jamais poderei voltar atrás, só Deus faria eu tirar a minha assinatura! Meu voto é favorável porque sei da importância do mesmo, das dificuldades que nós passamos, sei das nossas responsabilidades aqui nesta casa em aprovar tudo e qualquer proposição a favor do povo de São José de Ribamar”, enfatizou Viana.

O líder de governo, Prof. Cristiano, realizou sua justificativa e fez algumas ressalvas:

“Respeitando a opinião de todos os vereadores, tanto dos que votaram contra quanto dos que votaram a favor, acho que cada um aqui tem suas justificativas, suas intenções, suas ideias e seus projetos para a população de São José de Ribamar. O parlamento é isso, ele é plural, todo e qualquer parlamento é feito pela diversidades de ideias e opiniões. Votei contra porque esse projeto tramitou aqui no ano de 2019 sem seguir as normas regimentais. Ele tramitou de forma diferente, não chegou até meu gabinete uma cópia dele. Eu não fui eleito pelo povo de São José de Ribamar para votar em projetos aqui nesta casa sem meu entendimento, sem ter a oportunidade de ler e estudar. A minha formação acadêmica e profissional não me permite isso. Eu não sou contra a emenda impositiva, mas também não sou a favor de confiar meu voto naquilo que não conheço. Não sou irresponsável e não farei do meu mandato um poço de irresponsabilidade”, justificou vereador Cristiano.

Na tribuna, o vereador Prof. Cássio Sales do PSB explicou seu voto a favor da emenda:

“Nós perdemos hoje em torno de 200 mil reais. Políticas públicas não servem somente para sanar problemas de infraestrutura, vai além. Vou dar um exemplo básico: há uma creche que tenho muito apelo, e estou muito triste em ter que informar aos funcionários que não temos mais recursos para manter o estabelecimento aberto. Quando os colegas me procuraram, eu voltei atrás; quando entrou a emenda impositiva, eu não pensei duas vezes, vou corrigir o meu erro que iria cometer com a população. Votei em primeiro turno e votei em segundo”, afirmou Salis

Para o vereador Paulo Alencar do PSD, nada está perdido, pois disse que a Câmara unida ainda pode fazer mais pela população:

“Estou muito triste pelo o que aconteceu neste momento, mas nem tudo está perdido. Nós temos o orçamento para ser aprovado ainda este ano para o ano que vem. Nós vamos dizer as ruas que precisam ser recuperadas, vou querer que nossas indicações sejam executadas, vou sentar com meu jurídico e vou fazer emenda em cima do orçamento que vai ser votado nesta casa “, disse Paulo Alencar.

Na oportunidade, Nádia Barbosa justificou o motivo da retirada de sua assinatura:

“Eu assinei o projeto em primeiro turno porque pensei que era alteração de lei orgânica, mas não sabia que era projeto de resolução. Aqui é uma democracia, e não sou obrigada por ninguém a votar naquilo que eu não concordo”, explicou a 4° secretária da mesa diretora.

Manoel do Nascimento do PcdoB fez algumas ressalvas sobre o assunto discutido em plenária:

“Nós não fomos vencidos, estamos aqui justamente cumprindo o nosso papel enquanto parlamentares. Quero dizer aos nobres vereadores que na emenda impositiva, ao meu entendimento, o vereador não pega em dinheiro. A sociedade cívil não pega em dinheiro porque quem executa é a própria Prefeitura. No entanto, quem ganharia com isso seria a população do município de São José de Ribamar”, frisou Nascimento.

Quanto ao vereador Negão do PDT, o mesmo disse que já era tempo de uma revolução em prol da população:

“A gente não aguenta mais as nossas indicações e projetos serem engavetados. Eu votei sim pela emenda porque a população de Ribamar merece. Se soubermos unir esse recurso, poderíamos realizar algo de positivo em prol do nosso povo”, desabafou Negão.

Todos os parlamentares se fizeram presentes na sessão ordinária, a maioria deu suas justificativas. A pauta em destaque (emenda impositiva) não foi aprovada, mas houve a aprovação do projeto de lei de n° 1.209/19, que institui o dia Municipal de Conscientização, Prevenção e Combate à Depressão. Logo após, o presidente da casa do povo, Beto das Vilas, deu por encerrada a sessão.

ASCOM/Câmara Municipal de São José de Ribamar

Os comentários estão encerrados.